Poluição nas praias prejudica comércio e turismo em João Pessoa

Paraíba

Banhistas têm fugido do trecho na divisa das praias de Tambaú e Manaíra, em João Pessoa, na extensão que vai do Hotel Tambaú até as imediações do Hotel Verde Green. Isso por causa de duas galerias pluviais que existem na região e que, segundo moradores e comerciantes locais, de tempos em tempos, despeja esgoto no mar. “Aqui era para ser cheio no final de semana, um bairro bom, uma região bonita, mas está esvaziado”, comentou o comerciante Ivanildo do Nascimento, que vende água de coco na calçadinha da área.
Morador do bairro de Manaíra, Reginaldo Alencar contou que o problema persiste há muitos anos e que às vezes o cheiro fica insuportável. “O problema é que geralmente o pessoal aproveita quando a maré tá cheia pra despejar o esgoto, aí a água leva e fica mais difícil identificar”, opinou.
A situação se repete na praia do Bessa, próximo ao Clube dos Médicos e a uma estação de tratamento da Cagepa. “Tem tempo que ninguém aguenta o cheiro”, disse o pescador Genildo de Oliveira. Ele contou que já se deparou com um rapaz que ficou as pernas cheias de bolhas ao tomar banho de mar na região.
Rosilene da Silva Ribeiro, que também é pescadora, contou que procura levar o barco para uma região mais afastada, porque a água contaminada também atrapalha na pesca.
Material orgânico
A Secretaria de Meio Ambiente do Município de João Pessoa (Semam) informou, através de sua assessoria de comunicação, que o lançamento de esgotos nas praias não é muito comum. O que acontece, de acordo com a assessoria, é que muito material orgânico, como folhas e lixo, fica acumulado nas galerias levando ao apodrecimento e consequente mau cheiro que as pessoas confundem com esgoto.
Problema antigo
A Câmara Empresarial do Turismo da Federação do Comércio de Bens e Serviços do Estado da Paraíba (Fecomércio-PB) convidou diversas entidades para se reunirem na manhã desta sexta-feira (16), no Centro de Lazer e Turismo do Sesc, para discutir a questão.
A coordenadora da Câmara, Manuelina Hardman, contou que esse é um problema antigo na cidade. “Já estamos apresentando essa questão na Câmara Municipal há três anos. Ano passado chegamos a formar um grupo com a Cagepa, Semam, Seinfra (Secretaria de Infraestrutura) e Sedurb (Secretaria de Desenvolvimento Urbano), mas não houve progresso. O resultado é que ficamos com praias impróprias para banho, causando má impressão nos turistas que visitam a cidade e prejudicando também os moradores, já que as praias são um bem de todos”.
Manuelina afirmou que um dos problemas se refere à falta de geradores nas estações elevatórias da Cagepa. “As elevatórias bombeiam o esgoto para as estações de tratamento, mas quando falta energia elétrica, elas param de funcionar e o esgoto acaba se misturando com a água pluvial”.
Ela destacou que também está buscando a realização de campanhas educativas, para conscientizar a população da importância de não jogar lixo nas ruas, galerias e encostas de rios. Para Manuelina, o que está faltando para resolver o problema é a união das entidades responsáveis. “Essas faltas de energias naquela área da praia são raras. E quando falta, o extravasamento da elevatória não é imediato. Contamos também com a parceria da concessionária de energia, que vem fazendo manutenções preventivas na região para evitar suspensões na rede elétrica”, disse.
Por meio da assessoria, a Cagepa informou que a estação localizada na área de onde parte água pluvial que deságua nas galerias entre as praias de Manaíra e Tambaú não possui gerador. Contudo, adiantou que está sendo estudada a compra do equipamento para atender a região da praia e ainda a procura de um local adequado para a instalação do gerador.
Jornal Correio da Paraíba – Bárbara Wanderley – Foto: Rafael Passos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.