Herdeiros tentam anular venda da Unipê

Destaque Paraíba
Anúncios

A venda do Unipê – Centro Universitário de João Pessoa para o grupo Cruzeiro do Sul Educacional, anunciada nesta semana, está sendo questionada na Justiça por alguns herdeiros de um dos fundadores da instituição de ensino, o monsenhor José Trigueiro do Valle, morto em 2012.A informação foi divulgada no Portal Valor Econômico desta quinta-feira (07) e confirmado pela reportagem do Turismo em Foco.
A reportagem entrou em contato com o escritório de advocacia dos herdeiros, a Carneiros Advogados, que ficam em Brasília, mas ainda não obteve resposta sobre o assunto. Já a assessoria da Unipê enviou email para a redação afirmando que não iria se pronunciar sobre a ação, não informando se recebeu ou não qualquer notificação.
Esses herdeiros alegam que o Unipê não foi colocado no inventário do monsenhor e tampouco eles teriam sido consultados sobre a venda. Assim, esses familiares pedem a revisão do inventario e cancelamento da transação com a Cruzeiro do Sul.
O Unipê foi fundado em 1971 por seis famílias, cada qual com participações iguais. Ou seja, o questionamento judicial trata de um sexto da instituição de ensino, que é a maior de João Pessoa, com faturamento anual de R$ 180 milhões. A Cruzeiro da Sul adquiriu 84% do Unipê e os demais 16% ficaram com a família Pereira, uma das sócias.
Segundo o advogado Rafael Carneiro, do escritório Carneiros Advogados, que representa os reclamantes, o monsenhor deu ao seu irmão Oswaldo Trigueiro do Valle, ex-prefeito de João Pessoa (1983-1986), o direito de administrar seus bens e no inventário não incluiu a fatia do Unipê. “Ele [Oswaldo] alegou que o Unipê não tinha conteúdo econômico, não distribuía lucros, e a família acreditou. Mas os herdeiros foram surpreendidos com a publicação na mídia de que a instituição estava sendo vendida”, afirmou.
O Unipê era um centro universitário sem fins lucrativos e tornou-se uma empresa limitada no ano passado.
Ainda de acordo com os reclamantes, durante esse processo Oswaldo teria transferido a fatia de um sexto do centro universitário para seu nome.
O inventário do monsenhor era composto por três imóveis em João Pessoa, dois automóveis e um crédito de cerca de R$ 1,5 milhão que foram partilhados entre os herdeiros. José Trigueiro do Valle tinha cinco irmãos que receberam a herança, mas não a fatia do Unipê.
Segundo projeções do mercado, a instituição de ensino é avaliada entre R$ 270 milhões e R$ 340 milhões, sem incluir o campi de 30 hectares que também foi vendido.
Carneiro entrou com pedido de desarquivamento do processo e reabertura do inventário e encaminhou uma notificação à Cruzeiro do Sul na terça-feira. Procurada ontem, a Cruzeiro do Sul afirmou que “não tem ciência da questão e também não recebeu nenhuma notificação a respeito.”
O advogado afirmou que, em janeiro deste ano, os reclamantes notificaram o Unipê a informar qualquer fato relevante sobre o centro universitário.
Redação com Valor Econômico