Empreendedorismo criativo que transforma

Regina Amorim

Falar do Empreendedorismo Criativo que Transforma é algo que nos inspira, com “cases” reais, singulares e exitosos. Esses exemplos estão por todos os estados brasileiros e em todos os países.

O empreendedorismo criativo já é uma força poderosa e propulsora para o empreendedorismo mundial. Empreendedor é aquele que inicia algo novo, que vê o que ninguém vê, que sai do sonho para a ação.

E quando se fala do empreendedorismo criativo feminino, percebe-se o quanto o mercado tem ganhado força. Estudo da GEM – Global Empreendedorismo 2017, dos novos negócios brasileiros abertos em 2016, (48,5%) são de homens e (51,5%) são de mulheres. O Brasil conta com 5,7 milhões de mulheres empreendedoras, representando 8% da população feminina, empreendedora do Brasil que se concentra, (73%) no sul e sudeste e (19%) no NE.

Nesse artigo, apresento “cases de sucesso” do Estado da Paraíba, que foram trabalhados pelo Sebrae (2012 a 2016) e que ainda hoje são referências de vivências e experiências do turismo e da produção associada ao turismo, nas regiões do Litoral, Brejo e Cariri paraibanos.

Areia já é destino turístico desde 2013, tendo na sua formatação de produto turístico, a inovação, o empreendedorismo criativo, o que lhe garante o título de destino turístico inteligente, rico e experiências, sustentabilidade, governança e tecnologia, embora muitas pessoas acreditem estar  “descobrindo a roda”.

Começando pela Casa do Doce, em Areia, a empresária Esther Vilar tem uma boa história de empreendedorismo pra contar. Uma engenheira agrônoma que tinha o sonho de ser doceira e hoje, produz mais  de 80 tipos de doce, já ampliou o seu negócio e já recebe muitos turistas, diariamente. O diferencial que percebo na Casa do Doce, é a identidade cultural, a sua linda história de empreendedorismo, a saborosa degustação dos doces e a inovação.

Inspirada na Casa do Doce, foi que Luiza e Nevinha Silva, criaram o negócio denominado Doces Tambaba, no município de Conde, Litoral paraibano. Tudo começou com R$ 50 reais, debaixo de um cajueiro, no Assentamento Tambaba, em 2012.

Atualmente, toda a família de Luiza, que antes era empregada na cozinha de hotéis e restaurantes desse destino turístico de sol e mar, inicia a oferta de turismo rural, criando o primeiro shopping rural, com sete empreendimentos que se complementam e atendem aos turistas de sol e mar, com ricas experiências de empreendedorismo feminino:  a casinha de Doces Tambaba, a sorveteria, a lojinha de artesanato, a cachaçaria, a tapiocaria, a casa de sucos e a boutique da Chita.

Como não falar da comunidade rural de Chã de Jardim, em Areia – PB. Uma negócio criativo, que tem governança, sustentabilidade e ricas experiências.

Essa comunidade tem a liderança inspiradora de Luciana Balbino, que viaja o ano inteiro, por todas as regiões brasileiras, para estimular outras comunidades, com a história de empreendedorismo criativo e inovador de Chã de Jardim.

O Cultivo de flores nos municípios de Pilões e Areia, começou com o sonho coletivo de várias mulheres, que se tornou realidade. Hoje Pilões leva o nome de Terra das Flores, por causa do Cultivo de Flores na comunidade de Avarzeado.

A Cabritas de Boa Vista, que trabalham com a Chita e as Crocheteiras do Lajedo do Marinho, em Boqueirão – PB, no Cariri paraibano, também são exemplos de mulheres artesãs, que passaram a escrever uma nova história de empreendedorismo, após a atuação do SEBRAE, no seu território.

E quanto se fala em inovação, com sustentabilidade e criatividade, é importante destacar as “Sereias da Penha” , grupo de mulheres que transformam escamas de peixe, em lindas peças de ecobijoux. Situadas na Praia da Penha, em João Pessoa, as Sereias da Penha também contribuíram, com o seu trabalho, para que João Pessoa recebesse o título de Cidade Criativa da UNESCO.

Diversidade cultural, inovação, sustentabilidade  e inclusão social são princípios da economia criativa que somam ao empreendedorismo criativo e geram diferencial competitivo para os negócios.

Os territórios precisam de empreendedores que estejam dispostos a aprender, a planejar e dispostos a fazer acontecer.

Prometo voltar a escrever, em breve, outras histórias de empreendedorismo criativo, que transforma a Paraíba em um território de oportunidades, de inovação e evolução, para assumir os novos tempos da inevitável “era exponencial”.

 

Regina Medeiros Amorim

Mestre em Visão Territorial e Sustentável do Desenvolvimento, Pós graduada em Gestão e Marketing do Turismo, Gestora de Turismo e Economia Criativa do SEBRAE – Paraíba.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.