Turismo da Paraíba perde Sebastião Barbosa; Jornalista morre em Santiago do Chile

Destaque Paraíba
Anúncios

O jornalista Sebastião Barbosa, conhecido como ‘Barbosinha’, faleceu nesta sexta-feira (03), em Santiago do Chile, vítima de insuficiência cardíaca. Barbosinha era um dos mais antigos jornalistas especializados em turismo e morava no Chile há mais de 10 anos com um de seus filhos.

Aos 83 anos, ele vinha sofrendo alguns problemas de saúde, já um pouco agravadas quando ainda residia em João Pessoa. Na mudança para o Chile, conforme alguns amigos, ele teve uma melhora considerável. O enterro do jornalista irá acontecer no Chile.

Barbosinha foi diretor técnico do Jornal A União, trabalhou no Jornal O Norte, e também no Comitê de imprensa da ALPB (Assembleia Legislativa de Paraíba), como em vários outros orgãos de imprensa no Estado da Paraíba.

Barbosinha escreveu livros como “A Mão Armada do Latifúndio – Margarida: Quantas Morrerão?” sobre o assassinato da líder sindical Margarida Maria Alves, e “Brasil – País da Impunidade”. As duas obras tiveram repercussão nacional.

O jornalista também foi polêmico, ao acionar na justiça o ex-jogador de futebol Edmundo, por racismo, preconceito e perdas e danos contra os nordestinos.
Ao ser expulso do jogo entre América-RN e Vasco, em 1997, em Natal (RN), o jogador usou expressões consideradas preconceituosas contra os paraibanos e nordestinos.
“A gente vem jogar, e colocam um paraíba para apitar, só podia nos prejudicar”, disse Edmundo. O juiz que expulsou Edmundo, Dacildo Mourão, é cearense.

Nota da redação:

Barbosinha foi um dos maiores incentivadores do turismo da Paraíba, em especial, para a criação e consolidação do Turismo em Foco. Companheiro de muitas viagens para coberturas jornalísticas, também exerci a nobre missão de acompanhá-lo, inclusive, quando já vinha sofrendo alguns problemas de saúde, como uma hérnia de disco que judiavam muito dele. Me sentia um tipo de ‘anjo protetor’, como gostava de dizer a esposa dele, Luana.

Aprendi muito com ele, principalmente, a respeitar os entrevistados sem deixar de exercer a atividade jornalística de questioná-los. Barbosinha também foi o arquiteto para que a então deputada estadual Iraê Lucena ingresse com um projeto de concessão de Título de Cidadão Paraibano.

Vai em paz, COLEGA…

Fábio Cardoso