Festuris Gramado está confirmado para novembro e será primeiro evento de turismo da América Latina

Destaque Eventos

A Feira Internacional de Turismo de Gramado – Festuris 2020 – chega à sua 32ª edição de forma ininterrupta e nem a pandemia do coronavírus fez a equipe da Rossi & Zorzanello, empresa organizadora do evento, baixar a guarda. O Festuris está confirmadíssimo para os dias 5 a 8 de novembro e será o primeiro evento de turismo a ser realizado na América Latina após as medidas de flexibilização da economia no mundo.

Durante uma live realizada pelo Turismo em Foco, na conta do Instagram (@redacoturismoemfoco), o diretor da Rossi & Zorzanello, Eduardo Zorzanello, confirmou a realização do Festuris, que passará por uma série de mudanças, que estarão sendo adotadas para garantir total segurança para todas as pessoas que participarão do evento, tanto expositores, profissionais, imprensa e colaboradores.

Para atender as medidas de segurança adotadas por meio dos protocolos do Governo do Estado do Rio Grande do Sul, a feira no Centro de Convenções de Gramado terá um novo layout, a começar, de cara, no primeiro pavilhão, que será destinado para as rodadas comerciais e relacionamento. Todos os contatos serão agendados antecipadamente e, segundo Eduardo, o Festuris deixará de ser uma feira de circulação permanente, onde as pessoas saiam para obter informações e pegar brindes nos estandes dos fornecedores. Tudo será focado no agendamento.

Para se ter uma ideia, o Centro de Convenções tem uma área de 25 mil metros quadrados nos pavilhões – utilizada pelo Festuris no ano passado. Em 2019, houve a participação de cerca de 17,5 mil pessoas e, conforme as medidas de segurança, esse número deverá baixar para 50% da capacidade. Eduardo estima receber um público médio de 5 mil pessoas, o que representaria uma pessoa a cada 5 metros quadrados.

No segundo pavilhão, o Festuris estará destinando para Gastronomia e conteúdos. Nesse sentido, será realizada a terceira etapa do Festuris Connection. Numa área de 2,5 mil metros quadrados, a estimativa é de receber 500 pessoas/dia, limitando uma pessoa a cada 4 metros quadrados. O quesito Gastronomia estará sob a responsabilidade da Abrasel, que promoverá eventos das 9h às 13h, sempre seguindo as medidas de segurança sanitária.

De acordo com Eduardo, esse novo momento do Festuris provocará uma descentralização natural. “O evento estará muito seguro e menos nocivo do que ir a um shopping center ou restaurante”, pontuou. Logo na entrada, haverá uma cabine de higienização, scanner facial, termografia, dispensas com álcool em gel e o uso da máscara será um item obrigatório. Será criada a Sala Covid-19, em parceria com a GTA Seguros e o Hospital São Miguel, que atenderá qualquer pessoa que apresentar algum sintoma da doença.

 

“Estaremos acompanhando a movimentação de todas as pessoas a partir do acesso delas no Centro de Convenções. Teremos um mapeamento completo e tudo será feito pela internet, inclusive, o credenciamento dos profissionais”, afirmou o executivo.

 

A feira será aberta mais cedo do que nos anos anteriores. A partir das 12h os portões serão abertos até às 19h. Eduardo revelou que o Festuris deste ano será mais brasileiro do que nunca, em decorrência dos impedimentos da entrada e saída de estrangeiros no Brasil. Porém, o Festuris terá uma plataforma para atender o mercado internacional. No ano passado 65 destinos internacionais participaram da feira, em Gramado.

“Teremos uma feira virtual para que os nossos parceiros do exterior possam fazer a apresentação de seus produtos, de seus destinos, para os profissionais do turismo e, principalmente, comercializá-los”. afirmou o empresário.

A estimativa dos organizadores do Festuris é de que 65% dos profissionais sejam oriundos do Estado de São Paulo, Paraná, Santa Catarina e do Rio Grande do Sul. Os outros 25% do Nordeste, Rio de Janeiro, Distrito Federal e Minas Gerais.

“Não temos dúvida de que haverá redução de público de quem mora mais distante, entretanto, algumas limitações deixarão de existir conforme o perfil de cada profissional”.

Para atender esse público, a Rossi & Zorzanello fechou parceria para o aéreo com a Gol Linhas Aéreas Inteligentes – que será a companhia aérea oficial do evento – e com a Latam Brasil, para concessão de AD (descontos) na compra das passagens pelos agentes de viagens. No terrestre, a parceria foi fechada com a Planalto, que ficará responsável pelas caravanas de grupos vindos de cidades mais próximas de Gramado, do Oeste de Santa Catarina, Foz do Iguaçu (PR), litoral gaúcho e Curitiba e Florianópolis. “Muitos paulistas deverão vir de veículo próprio. Estamos trabalhando no rodoviário numa distância de até mil quilômetros”.

 

Expectativa de flexibilização para atender maior demanda da hotelaria

Sobre a ocupação hoteleira, Eduardo disse que, a preço de hoje, a expectativa é de que se trabalhe com 50% de sua capacidade. Entretanto, existe a possibilidade real de que haja uma maior flexibilização para ampliar esse percentual, para que chegue até 70%. “Sendo realista, temos que trabalhar para termos 70% da capacidade hoteleira, buscando 100% de ocupação desse 70%, o que será muito bom para quem não tinha nada há alguns meses”.

Atualmente, Gramado está inserida em uma região que compreende 49 outros municípios, que está com a bandeira ‘laranja’. O Governo do Rio Grande do Sul adotou cores de bandeiras (preta, vermelha, laranja, amarela e verde). Com os dados recentes, que indicam redução no número de casos de pessoas com coronavírus e de óbitos, há grande possibilidade de, em novembro, a região estar com a bandeira amarela. “Queremos estar sem bandeira alguma, mas, se for amarela, será um grande alívio para todos os setores do turismo local”.

A rotina de Gramado certamente também irá mudar durante a realização do Festuris, também em meio aos eventos do Natal Luz e do Sonho de natal – evento promovido em Canela. Nesse sentido, Eduardo enfatizou que, tanto empresários, como os moradores da cidade, estão muito unidos para atender aos turistas.

“Existe uma dualidade de comportamento nesse momento de retomada e não é uma tarefa fácil em nenhum lugar do mundo ter o controle total. Temos péssimos exemplos, inclusive, na Europa, em países do primeiro mundo”.

Mesmo assim, Eduardo está apostando na união do trade turístico, autoridades e população para que, primeiro, o exemplo seja de casa; segundo, para procurar cumprir com todos os protocolos de segurança sanitária. É preciso usar máscara, ter controle de acesso aos estabelecimentos comerciais e fiscalização do poder público. O diferencial, na opinião do empresário, será a conscientização. Seria o primeiro passo para que não haja risco de contaminação.

Fábio Cardoso