Contratação de seguro para viagens dentro do Brasil cresce 18%

Brasil
http://datagridti.com.br/wp-content/uploads/2021/12/datagridtiBanner.gif

A contratação de seguro-viagem por parte de brasileiros para destinos internacionais já é uma realidade há alguns anos. A preocupação em ter que arcar, principalmente, com altos gastos médicos em solo norte-americano ou europeu assusta o bolso de muitos viajantes, que não se arriscam em sair do Brasil sem uma cobertura. No entanto, a Allianz Travel, empresa de seguro-viagem, que, no Brasil, atua como representante da Allianz Seguros, tem registrado um novo comportamento por parte dos brasileiros: a contratação do seguro também para viagens nacionais.

Nesses primeiros meses de 2022, a empresa já registrou um aumento de 18% na emissão de apólices dos planos nacionais em relação ao mesmo período do ano passado. “Muitas famílias e casais que estavam há dois anos impossibilitados de viajar, agora querem recuperar o ‘tempo perdido’, mas com o respaldo dos serviços relacionados à pandemia, que o momento ainda requer”, afirma Vincent Bleunven, CEO da Allianz Partners Brasil, empresa detentora da marca Allianz Travel.

É fato que, com o avanço da vacinação no país, 44% dos brasileiros demonstraram o interesse em viajar, sobretudo dentro do Brasil. De acordo com o estudo da empresa de consultoria e auditoria PwC, 50% dos entrevistados afirmaram não se sentirem seguros para realizar viagens internacionais. Os dados são do fim do ano passado.

“É notório que a pandemia tenha provocado uma mudança nos hábitos dos viajantes brasileiros. O consumidor que contrata o seguro-viagem hoje em dia está mais atento a quais são as garantias oferecidas nas coberturas por Covid-19, como despesas médicas e hospitalares”, ressalta o executivo.

Ainda segundo o gestor, a tradicional razão do desinteresse dos brasileiros pela contratação do seguro-viagem para trechos nacionais se deve ao fato de que muitos ainda acreditam que a apólice cobre apenas gastos com saúde. “Muitos viajantes desconhecem outros aspectos da cobertura, como suporte no caso de extravio de mala, de cancelamento do voo por diversas causas, entre outros”, reforça. Entretanto, é exatamente a preocupação com a contaminação pelo coronavírus e, consequentemente, com eventuais gastos extras, que tem alavancado a popularidade deste serviço.

Dados demográficos

A seguradora identificou que o público que mais tem procurado os serviços de seguro-viagem são pessoas entre 31 e 40 anos. Elas correspondem a 24% do total das vendas neste segmento. A informação casa com o estudo da PwC, que ouviu 9.370 consumidores de diferentes países e afirma que a maioria dos participantes interessados em retomar os hábitos de viagem eram das Gerações X e Millennials.

Assessoria de imprensa