Um novo olhar pelo Centro de Portugal

Mundo

Portugal é um país rico em termos artísticos: o tradicional e dramático fado, por exemplo, é parte da cultura do país. Mas há outro tipo de arte que tem conquistado o coração dos nossos irmãos lusitanos: a street art, ou arte urbana.
No Centro de Portugal, os grafites misturam-se ao cotidiano das cidades, transformando a região em um verdadeiro festival de cores que encanta turistas e moradores.
Com o intuito de explorar cada local pincelado, preparamos um roteiro especial para os que procuram expandir seus horizontes nesse universo artístico.
Começando o passeio pela simpática Leiria, que fica a 1h30 de Lisboa, o visitante poderá conhecer as pinturas de Sílvia Patrício. As paredes de 13 murais narram os principais fatos do clássico livro de Eça de Queiroz, O Crime do Padre Amaro. É possível conhecer cada um em visitas guiadas realizadas no segundo sábado de cada mês, em uma forma diferente de rever essa obra-prima da literatura lusitana.
 
Seguindo para o norte, em Figueira da Foz, o impressionante mural “Herança Viva”  , de Add Fuel, feito com azulejos portugueses, mostra um conceito que se diferencia do grafite. Outros artistas também podem ser apreciados na cidade, como Pantónio, Mário Belém, Daniel Eime e Kruella d’Enfer, esta última com trabalhos repletos de criaturas místicas e imaginação.
Em Aveiro, a 40 minutos de Figueira da Foz, as obras revolucionárias de Vhils chamam a atenção. O português usa uma técnica singular, que consiste em esculpir os muros em vez de pintá-los. Utilizando diversos tipos de ferramentas que incluem ácido e martelos, Vhils cria texturas e relevos que transformam as paredes de concreto de forma nunca vista. Uma de suas obras mais populares, com um rosto rico em detalhes, se encontra na parede em frente à Estação Ferroviária de Aveiro, um encontro fantástico entre a art noveau e a arte contemporânea.
 
Já Estarreja, vilarejo vizinho de Aveiro, dispõe de uma rota com trabalhos de vários artistas, incluindo o pioneiro Bordallo II, que transformou lixo em arte, fazendo uma representação incrível da ave guarda-rios. A intervenção fez com que ele ficasse na nona posição no Top 100 do site especializado WideWalls. A maioria de suas esculturas são representações de animais feitas com diversos materiais descartados, criando um relevo nos muros que desperta o interesse de todos que passam.
 
Seguindo para o interior da região, nosso próximo destino é Viseu, que fica a pouco menos de uma hora de Estarreja. Repleta de murais de pintores variados, ela mostra que seu patrimônio vai além dos vinhos e monumentos históricos. Boa parte deles foi feita a pedido da própria prefeitura, que convidou artistas como AKA Corleone (Bairro da Balsa e Universidade Católica), BASIK (Rua Serpa Pinto), a já citada Kruella d’Enfer (Bairro da Balsa), entre outros.
Finalizamos o passeio com uma visita à Covilhã, com seus prédios, muros e casas que se tornaram enormes telas prontas para artistas conceituados como Bosoletti, Doa Oa e Third. A cidade tornou-se um centro de arte urbana da região graças ao Wool Festival, evento anual com diversas opções de atividades para os visitantes, incluindo visitas guiadas para conhecer a fundo o conceito de cada obra.
  
Sobre o Centro de Portugal
A mais charmosa região portuguesa é cheia de destinos populares: Aveiro, Coimbra, Viseu, Nazaré, Óbidos, Tomar, Fátima e tantos outros. Suas belezas se estendem por todo o território – ocupado por 2,3 milhões de habitantes que têm o dom de bem receber. O Centro de Portugal possui inúmeros patrimônios da UNESCO, um litoral que é um paraíso do surfe, aldeias históricas, gastronomia riquíssima, vinhos inesquecíveis, natureza exuberante e muita cultura, que se somam a incontáveis motivos para uma visita. A principal cidade, Coimbra, está a apenas 200 quilômetros de Lisboa e a 135 quilômetros do Porto.
AFT Comunicação Integrada

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.